Primeiro Crossfit Open

No ano passado tanto eu quanto a Erica tinhamos acabado de começar a ingressar no mundo do Crossfit quando o “World Wide Open 2017” aconteceu, para a Erica o primeiro WOD dela foi o 17.5, eu não estava ligado em competir na época acabei deixando de lado e não fazendo, um arrependimento.

Este ano já tinhamos participado da nossa primeira competição, o Double IG 2018, então entramos com a mentalidade de testar como iriamos nos sentir em relação ao resto do mundo nesses 5 testes de capacidade física e mental que são os WODs criados para este evento.

A Erica fez o 18.1 logo na sexta-feira cedo, impaciente como é =D, fez este WOD na categoria RX e conseguiu completar 161 repetições mas percebemos novamente que realmente a mentalidade dos treinos e de competição são completamente diferentes, você inconcientemente dá máximo de si em uma competição, muito mais desgastante.

Na segunda, eu fui fazer o meu WOD 18.1, estava um pouco nervoso, um tema recorrente toda segunda-feira de manhã para mim. Também fiz na Categoria RX e consegui fazer 242 repetições, dei muita sorte que o primeiro WOD do Open este ano tinha remo, um dos exercícios que eu sou melhor.

WOD 18.1

  • 8 toes-to-bars
  • 10 dumbbell hang clean and jerks
  • 12/14 remo calorias

Homens usam 50-lb e Mulhers usam 35-lb dumbbells

Infelizmente nesse dia a Erica se machucou enquanto testava o seu Agachamento máximo e só pode voltar a competir no Open na última semana, eu continuei fazendo os WODs com a seguinte mentalidade, se eu não consigo fazer um movimento (Muscle Up ou Handstand walk) minha intenção é fazer a versão scale, mesmo que fazendo apenas uma repetição da versão RX eu teria uma pontuação maior. Eu e Erica acreditamos que a maior competição que o Open pode te trazer a aquela consigo mesmo, ano após ano.

Eu fiquei super feliz com o meu resultado nos outros WODs deste Open, pois consegui ficar acima de 35% dos participantes masculinos do Open no mundo e acima de 40% na America do Sul. A Erica também mandou muito bem para alguem que fez apenas o Primeiro e o ultimo exercício.

Já sabiamos que nossas fraquezas são, a nossa capacidade cardio vascular, resistencia para WODs longos e Ginastica, exercícios que involvem a barra são bem complicados para nós, para mim pelo meu peso e para ela por falta e força nas costas. Este ano pretendemos competir novamente em outras competições locais aqui no Rio de Janeiro, então vamos parar de treinar tanto força — que ambos amamos — e focar bastante em não termos mais fraquezas tão grandes nessas áreas de treino.

Tanto eu quanto ela estamos extremamente empolgados para o Crossfit Open de 2019 chegar, pois ai teremos ao menos 1 ano de treino sério, dessa vez estavamos muito novatos ainda, agora uma coisa que eu tenho a maior certeza do mundo é que não importa o seu nível para se testar no Open, o importante é participar e ver os seus colegas do Box gritando por você nos ultimo minuto para que consiga completar mais algumas repetições.